O prazer de se LIBERTAR

21 setembro, 2016
Imagem de Afro, black hair, and hair
Eu tô aqui pensando, pensando, e refletindo sobre esse assunto que vou falar agora. Sempre tive vontade de abordar esse tema, e depois de algumas coisas que li na internet, me impulsionaram a escrever este texto.

Para começar, eu sou negra/preta/parda/branca/todas as cores porque todos nós somos uma mistura só. Cada individuo possui em seu gene variadas características de diversos povos diferentes espalhados pelo mundo. Não tô dizendo isso só por falar, pois tive o imenso prazer de assistir a um vídeo que tratava sobre essa visão:


UAU! É uma ótima campanha, não? Espero que vocês estejam tão inspiradas e emocionadas quanto eu. É confortante saber que no fim, é todo mundo farinha do mesmo saco ♥.

Nestes últimos tempos, surgiu uma onda de cacheadas se aceitando e fazendo aquela transição capilar, em que alguém com cabelo tratado quimicamente interrompe o tratamento para voltar aos cachos. E, gente, eu acho isso INCRÍVEL. Vocês não têm noção do quanto eu me sinto orgulhosa por todas elas. Autênticas, estilosas e lindas! 

Maaaas, como tudo tem o seu lado ruim, começou a surgir um mimimi contra quem faz uso de química(alisamentos, escovas progressivas de todos os tipos, etc) e eu me encaixo nesse grupo. As pessoas têm que entender que eu não sou obrigada. Que não é por eu ser "preta" que devo ter os meus cabelos crespos; que só porque alisei, não quer dizer que eu não amava o meu cabelo natural. Ridículo! Cadê a liberdade de cada um? Em um século onde "pode tudo", eu não posso ter cabelo alisado? 

Bom, eu tive os meus motivos para recorrer a progressiva. Sempre achei meus cachinhos lindos, volumosos e poderosos. Porém, diante de tudo isso, ele também dava muito trabalho. Sou uma pessoa que gosta de mudar sempre, enjoo fácil das coisas e gosto de me sentir livre para ser quem eu quiser. Por esses motivos, optei por alisar. E, olha, eu não me sinto tão eu se o meu cabelo fosse diferente do que é agora. Tem gente que argumenta esse tipo de acontecimento como "sair de uma ditadura, para entrar em outra". Não vou me posicionar quanto a isso, também nem sei se concordo. Não encaro como uma ditadura, mas é a liberdade, gente! Seja cacheada ou alisada, você é maravilhosa de todo jeito.

Vocês estão se perguntando se por acaso, sofri algum tipo de bullying pelo meu cabelo cacheado. RÁ, mas é claro que sofri. Algumas vezes cheguei a chorar porque faziam umas piadas idiotas sobre mim. Mas, logo no outro dia, eu estava lá, com os meus cachos lindos. Sempre gostei de tirar fotos com volumão, balançar pra lá e pra cá-e o melhor de tudo- receber elogios do meu cabelo.

Hoje sou Vitória, de cabelo liso, negra e muita autoestima. Defensora dos reprimidos(risos) e propagadora da liberdade de ser quem você é. Então pessoal, minha dica pra vocês é: encontrem-se. Procurem entender qual é a sua melhor versão. Tenho certeza de que é sensa! E, galerinha, parem com essa coisinha chatinha de querer rotular tudo. Vamos aproveitar a vida, ela precisa ser vivida! ♥ 

Com amor,
sua amô. 

0 comentários:

Postar um comentário